Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Poupanças e Investimentos Seguros

Poupanças e Investimentos Seguros

Poupanças e Investimentos Seguros

Poupanças e Investimentos Seguros

29
Out12

Saiba como ganhar com a dívida pública portuguesa

adm

Os títulos da dívida pública portuguesa valorizaram 50% desde o início do ano. O Diário Económico apresenta-lhe algumas formas de comer parte deste “bolo”.

Investir em Obrigações do Estado pode ser uma tarefa complicada para os pequenos investidores, dados os elevados montantes necessários para negociar estes títulos. "Uma das principais limitações para os pequenos investidores é o facto de várias emissões de dívida pública e privada serem apenas transaccionadas em lotes de valores elevados (50 ou 100 mil euros) e dos títulos de dívida serem geralmente transaccionados directamente entre intermediários financeiros, o que reduz a liquidez", refere o o director de negociação da GoBulling, João Queiroz.

Mas existem outras formas de ganhar exposição a dívida pública portuguesa, que valoriza em média 50% em 2012. Além dos certificados de aforro, cuja rentabilidade não reflecte as oscilações dos preços das obrigações do tesouro no mercado secundário, os investidores podem ganhar exposição a dívida pública portuguesa através de fundos de investimento.

Os fundos que mais investem no Estado
Apesar dos fundos diversificarem os seus investimentos, há produtos com um exposição significativa à dívida do Estado português. Um dos casos é o Montepio Taxa Fixa, com 48% do património alocado em várias linhas de Obrigações do Tesouro. O produto, que tem uma classe de risco 3 (numa escala de 1, menos risco, a 6, maior risco), rende 23% nos últimos 12 meses. Outro produto com uma exposição significativa à dívida pública nacional é o Santander Multi Taxa Fixa, com 25% do fundo investido em obrigações do Estado. O veículo, que tem uma classe de risco 2, aprecia 3,84% nos últimos 12 meses. Também o Espírito Santo Obrigações Europa tem 23% do seu património alocado em obrigações soberanas portuguesas. Este produto valoriza 25% no último ano e tem uma classe de risco 3. "Nos fundos de investimento, o cliente beneficia do know-how das sociedades gestoras na selecção de títulos, sendo ideal para investidores com menores conhecimentos sobre os mercados financeiros", refere o responsável de ‘trading' do banco Best, Carlos Almeida.

Além dos fundos de taxa fixa, pode também ganhar-se exposição à dívida pública portuguesa através dos Certificados de Reforma, gerido pela Segurança Social. OPPR do Estado tem 26% dos seus investimentos aplicados em dívida pública portuguesa. Outra forma é fazer aplicações em certificados de aforro. Estes produtos não reflectem as condições de mercado para os títulos de dívida, o que o torna mais indicado para aforradores avessos ao risco, já que não existe o risco da oscilação do preço. A taxa de juro bruta destes produtos é de 3,204%. Estas são algumas das opções para se ganhar exposição aos títulos de dívida do Estado. No entanto, a agência que gere o crédito público não descarta vir a lançar obrigações do tesouro direccionadas para os pequenos investidores, no próximo ano.

ETF e CFD  para os investidores mais experientes e que queiram diversificar
Já os investidores que queiram diversificar o investimento além da dívida portuguesa têm outras opções à disposição, caso dos ‘exchange-traded funds' (ETF) e dos ‘contract for differences' (CFD). "Para além das obrigações, existem alguns fundos cotados (ETF's) que permitem ganhar exposição tanto à dívida soberana como de empresas, com a facilidade de serem negociados da mesma forma que as acções e permitirem uma liquidez imediata. Há, ainda, os contratos sobre futuros de obrigações que permitem acompanhar os movimentos dos preços da dívida pública", explica João Queiroz. Os CFD são direccionados para investidores mais experientes e com maior grau de aversão ao risco, já que recorrem à alavancagem.


Quatro formas de investir em dívida pública

1 - Certificados
Os certificados de aforro são a opção mais simples para os aforradores que queiram ganhar exposição ao Estado e evitar as oscilações dos preços dos títulos de dívida no mercado. O governo aprovou regras excepcionais que melhoram a rentabilidade destes produtos e que os tornam atractivos em relação aos depósitos a prazo. Para as subscrições realizadas em Outubro, a remuneração bruta oferecida é de 3,204%%.

2 - Fundos
Apesar de não estarem totalmente investidos em dívida soberana portuguesa, existem fundos de obrigações de taxa fixa que têm uma parte significativa da carteira de investimento em obrigações do tesouro. É o caso do Montepio Taxa Fixa, do Santander Multi Taxa Fixa e do Espírito Santo Obrigações Europa. Antes de investir em fundos, convém aferir o grau de risco, as comissões e o período recomendado de investimento

3 - ETF
Os ‘exchange-traded funds' são fundos de investimento que são transaccionados como se fosse acções. Podem ser direccionados para quem procura diversificar em dívida de outros países. Existem ETF que permitem ganhar exposição à dívida de determinado país ou a um índice que reúne um cabaz de dívidas de vários estados. Podem ser utilizados para apostar na desvalorização de algumas obrigações.

4 - CFD
A partir de Novembro estarão disponíveis no mercado português, através da GoBulling e do Banco Best, ‘contract for differences' que replicam o desempenho dos contratos de futuros sobre obrigações. A vantagem dos CFD, destinados a investidores com elevado grau de tolerância ao risco já que recorrem à alavancagem, é necessitar de um investimento mais baixo para se ganhar exposição à dívida alemã, italiana e francesa.

Trabalho publicado na edição de 26 de Outubro de 2012 do Diário Económico

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D